TERRITÓRIO

TERRITÓRIO
ebook
Ficha Técnica
ISBN:
978-989-51-9350-9
EAN:
9789895193509
Páginas:
364
Derechos eBook:
Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.
DRM
No
Idioma:
PORTUGUES

3,00 €
Comprar

Não quero arrastar a boca do leitor no chão como se ele tivesse que ler, mas não quisesse. Quero que o leitor feche o livro a cada término de conto. Será assim que terei a sensação de que há sensação em quem lê. Estará assim o leitor envolvido com a história que acabou de ler. Estará assim o leitor entranhado nas cidades, nas casas, nas pessoas, nas relações. O livro trata do TERRITÓRIO da Baixada Fluminense através de contos estratégicos que, vejam bem, se posicionam na linha de frente da guerra ao desânimo cavalar com que olham para nós e com que nos olhamos como bairro, cidade, chão, cidadãos. Mesmo a terra batida é uma assinatura original de identidade. Também o asfalto, as crateras dele, a poeira e os gramados, a estrada e os desvairados, as pipas e os assalariados. Todos são assinaturas de identidade representando a forma pessoal da qual me refiro: não sei mais negar a terra que ainda insistem de chamar de fim do mundo. Ironicamente para falar da terra os contos falam de pessoas. E há riqueza maior na Baixada Fluminense ou em qualquer outro lugar? No final das contas todo o emaranhado fala de humanidade tratando a Baixada como ela realmente é: um pedaço de cada coisa do mundo pedindo que o mundo a respeite como um mundo num pedaço. Num absurdo epifânico gostaria de erguer uma cidade ou reerguer uma região inteira. Não como prefeito, tampouco deputado ou vereador. Não me dou com políticas apesar de sermos todos tão políticos quando pedimos descontos ou resolvemos embates por aí. Não sendo um desses pelos quais se estendem faixas em praças que nem pavimentadas são posso ir mais longe. Como no conto em que um escritor humilde e nordestino é nomeado para uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. Ou no conto no qual um homem toma uma atitude extrema por conta da rotina irritante das grandes cidades. Há também o conto onde um homem tem medo de viver algo em plenitude; outro conto no qual um homem se julga o grande juiz social e começa a colecionar ladrões; outro no qual um rapaz pobre estudante de escola pública toma um rumo bonito na vida; histórias de crianças e analogias ao futebol praticado nos campinhos de Nova Iguaçu e até referências às Copas do Mundo; histórias de amor nascidas em Nilópolis, em Tinguá, em Japeri, em Xerém. Também personagens que reconhecem a Baixada como lugar de pessoas extremamente originais e valiosas como o sujeito que perambula pela madrugada analisando a dinâmica social do lugar e o outro avesso a qualquer carinho pelo TERRITÓRIO do qual não faz parte e só ouve falar mal e que, por fim, acaba tendo um belíssimo reconhecimento de que ali, afinal, é um celeiro de riquezas e um incrível lugar do mundo.