DEBAIXO DOS IPêS - CRôNICAS AFETIVAS

DEBAIXO DOS IPêS - CRôNICAS AFETIVAS
ebook
Ficha Técnica
ISBN:
978-989-52-2828-7
EAN:
9789895228287
Páginas:
184
Derechos eBook:
Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.
DRM
No
Idioma:
PORTUGUES

3,00 €
Sin stock
Comprar

Um brilhante técnico de voleibol disse certa vez que seu sucesso vinha do fato de ele não ter sido um jogador excepcional. Como teve de aprender, com muito esforço, o que parecia natural para os gênios, conseguia, como treinador, ensinar a seus atletas o que eles precisavam fazer para realizar bem cada movimento e jogada. A vida é bem mais rica e desafiadora que partidas de vôlei. Por isso, um técnico de vida não existe. Mas existem pessoas que conseguiram conquistar a vida de tal forma que têm um caso de amor com ela. E essas pessoas, embora não possam nos treinar, podem nos inspirar. Marina é uma dessas pessoas. E seu livro é um presente. Nele, ela nos conta que, se ama a vida hoje, foi porque, como aquele técnico, percebeu-se um dia uma jogadora mediana que, para deixar de ser engolida pela vida, precisava se esforçar. E o esforço que a vida exige é humildade e, sobretudo, coragem diante dela. Talvez seja essa a principal lição que Marina nos ensina, mesmo que ensinar não seja seu objetivo. Ela escreve não para dar lições, mas porque precisa. Escreve para viver. Escrevendo, compreendeu melhor a si. Reconheceu medos, limitações e defeitos, e reuniu forças para superá-los. E, então, pôde enfim se dar o direito de gozar, em todos os sentidos, sem culpa. Liberdade para sentir prazer em viver, eis a recompensa da humildade e da coragem diante da vida. Seguir Marina em sua jornada, aviso, é muitas vezes doloroso, como dolorosa foi sua vida em vários momentos. Alerto que você acompanhará a dor dela de perder a mãe aos 17 anos, de encarar o medo de uma gravidez solitária no início da juventude e, depois, de passar por uma nova perda, a do amor de sua vida, que parecia ter chegado para deixar tudo tranquilo. A vida não poupa de dores quem aprende a amá-la. Mas, como já disse, embarcar no barquinho de papel com o qual Marina navega seus abismos é, mais que tudo, inspirador. É aprender que viver pode, ou melhor, deve valer a pena. Humberto Rezende, jornalista e músico