A NOITE DA ESPERA

A NOITE DA ESPERA
ebook
Ficha Técnica
ISBN:
978-989-665-752-9
EAN:
9789896657529
Derechos eBook:
Imprimible: Prohibido.
Copiar/pegar: Prohibido.
Compartir: 6 dispositivos permitidos.
DRM
Si
Colección:
SIN CODIFICAR
Idioma:
PORTUGUES

9,99 €
Sin stock

Num magistral romance de formação ambientado na ditadura que amordaçou o Brasil, Milton Hatoum transita com a habilidade que lhe é própria entre as dimensões pessoal e social do drama e faz de uma ruptura familiar a outra face de um país dividido.

Paris, 1978: Martim prepara-se para, escrevendo um diário, recuperar a memória dos tempos que viveu em Brasília. Submerso em cadernos, fotografias, folhas soltas, guardanapos rabiscados, cartas e diários de amigos, vai revivendo e recompondo os anos da sua formação, anos plúmbeos de feroz ditadura, anos auspiciosos de novidade.

Nos anos 1960, muito jovem, Martim vê os pais separarem-se, sem que chegue a conheer o verdadeiro motivo para a cisão. Muda-se então de São Paulo para Brasília com o pai. Na cidade recém-inaugurada, trava amizade com um grupo de adolescentes de contextos sociais e familiares diversos. Une-os um projecto cultural e a luta contra o cerco do regime. Com eles, graças a eles, vai descobrindo o amor, o sexo, a amizade, a poesia, a literatura, a política e o medo.

Pairando sobre o fulgor da descoberta há duas nuvens negras ensombrecendo a vida de Martim: a da repressão política dos anos mais duros da ditadura; e a dor da separação da mãe. O vazio aberto pelas cartas que a mãe não lhe escreve, pelos gestos de amor que não lhe estende, pelo reencontro ansiado e adiado, não pode ser preenchido pelo pai, com quem vive uma relação problemática, fria, entrecortada. O fardo desta ausência - noite longa de vigília - acompanhará Martim mesmo quando ele procurar o consolo do exílio em Paris.

«Eu emergia assustado de um cochilo e via o rosto da minha mãe numa lugar sombrio do quarto, ou deitada na cama, o corpo quieto e frio como o de uma morta; essas visões, entre o milagre e o sobrenatural, me assustavam e me deixaram prostrado na longa noite da espera.»

Paris, 1978: Martim prepara-se para, escrevendo um diário, recuperar a memória dos tempos que viveu em Brasília. Submerso em cadernos, fotografias, folhas soltas, guardanapos rabiscados, cartas e diários de amigos, vai revivendo e recompondo os anos da sua formação, anos plúmbeos de feroz ditadura, anos auspiciosos de novidade.

Nos anos 1960, muito jovem, Martim vê os pais separarem-se, sem que chegue a conhecer o verdadeiro motivo para a cisão. Muda-se então de São Paulo para Brasília com o pai. Na cidade recém-inaugurada, trava amizade com um grupo de adolescentes de contextos sociais e familiares diversos. Une-os um projecto cultural e a luta contra o cerco do regime. Com eles, graças a eles, vai descobrindo o amor, o sexo, a amizade, a poesia, a literatura, a política e o medo.

Pairando sobre o fulgor da descoberta há duas nuvens negras ensombrecendo a vida de Martim: a da repressão política dos anos mais duros da ditadura; e a dor da separação da mãe. O vazio aberto pelas cartas que a mãe não lhe escreve, pelos gestos de amor que não lhe estende, pelo reencontro ansiado e adiado, não pode ser preenchido pelo pai, com quem vive uma relação problemática, fria, entrecortada. O fardo desta ausência acompanhará Martim mesmo quando ele procurar o consolo no exílio em Paris.

Num magistral romance de formação ambientado na ditadura que amordaçou o Brasil, Milton Hatoum transita com a habilidade que lhe é própria entre as dimensões pessoal e social do drama e faz de uma ruptura familiar a outra face de um país dividido.